Cinco passos para criar o filho com autonomia

Sonhe com o futuro dele, mas ensine-o a saber o que quer.

A mulher fica grávida e começa a planejar: quero que minha filha faça balé! Se for menino, será médico! Muitas fazem isso porque não puderam realizar seu próprio sonho de infância. É o caso de Íntima (Elizângela), da novela Aquele Beijo. Ela obriga a filha Belezinha (Bruna Marquezine) a ser miss e participar de concursos de beleza.

A menina não quer, mas Íntima ignora. "A mãe pode até desejar que a filha realize aquilo que ela quis fazer quando era jovem, mas, no fim, deve deixar a filha escolher e até mesmo errar", orienta Ana da Costa Polônia, professora de Psicologia e Educação da Universidade de Brasília.

Uma pesquisa da Unilever com 3.300 mulheres de dez países constatou que, no Brasil, 57% das meninas de 15 a 17 anos reconhecem a mãe como a principal influenciadora na formação de sua imagem. "Essa influência é positiva, cria um vínculo de confiança e amor. Mas é preciso deixar claro que os filhos não são a continuação de seus pais", reforça Ana.

Portanto, cuidar, amar e proteger são deveres do pai e da mãe. Já projetar suas vontades, ignorando que o filho tem desejos próprios, pode ser prejudicial. Não permita que seu filho seja dependente de você. Veja como.

COMO PROTEGER E SOLTAR…
 

Sonhar com o futuro do filho é normal

"Os pais protegem, cuidam, dão amor, ensinam os limites e passam valores que possibilitam a construção da identidade e da autoestima do filho. Mas esse filho é uma pessoa com ideias próprias!", diz Ana Polônia.

É saudável o filho se identificar com os pais, sem ter de imitá-los

O papel dos pais é valioso na criação do filho, é uma referência. "Se identificar não é copiar e nem ser exatamente igual, é ter um modelo para a vida", explica a especialista.

Conversar é a chave do sucesso

"O mais importante é que as mães valorizem o tempo que passam com os filhos e possam, em conjunto, descobrir o melhor meio de alimentar esse afeto. Proteção, respeito, independência e a livre manifestação dos sentimentos com bastante diálogo são uma ótima combinação", resume Polônia.

OS 4 ERROS DOS PAIS

Deixar os filhos culpados por não seguirem suas vontades

Muitas vezes, ao ignorar os desejos da mãe e seguir suas próprias vontades, os filhos se sentem culpados. E, se essa culpa marcar presença o tempo todo, eles podem crescer frustrados.

Rivalizar com a própria filha

É fundamental resgatar os papéis de mãe e filha, sem que uma queira ser igual à outra o tempo todo. Crie vínculos saudáveis, com respeito às diferenças (de idade, por exemplo) e à independência das duas. Tudo deve ser feito com amor, carinho e respeito.

Não ter vida própria, se largar

Isso gera desconforto para a criança e a mãe. Tente se cuidar mais! Faça dieta, ginástica, enfim, mostre ao seu filho que você sente amor-próprio.

Proteger demais

Isso impede a independência da criança, não deixando que ela tome suas decisões. "Há oportunidades de experimentar a independência na escola, na casa da tia… Isso é válido para controlar a preocupação exagerada da mãe e promover a autonomia dos filhos", diz Ana.

5 PASSOS PARA MUDAR DE ATITUDE!

Primeiro passo – Reflita sobre o motivo dessa necessidade tão grande de viver por meio das realizações dos filhos.

Segundo passo – Crie espaço para que seus filhos escolham aquilo que acham interessante. Liberdade na dose certa! 

Terceiro passo – Valorize a vontade de seu filho ter suas próprias experiências e opiniões. E orgulhe-se dele por isso!

Quarto passo – Repense seus desejos, mesmo aqueles que ficaram para trás. Se gostava de dançar, por exemplo, e deixou isso para criar os filhos, retome essa atividade! Faça mais o que gosta em vez de só cumprir as suas obrigações do dia a dia.

Quinto passo – Busque seus amigos, invente passeios, descubra interesses novos. E seja feliz consigo mesma.

Texto Roberta Cerasoli 

Comments are closed.