Sono

Por que os pais precisam cortar internet, videogame e celular até altas horas da noite? Para que a molecada possa dormir mais e melhorar tanto o boletim quanto o humor!

Acordar cedo e dormir tarde não combina. Por isso, convença seus filhos a se despedir do computador ou do videogame ao cair da noite.

Cabeça no mundo da lua em plena sala de aula, notas em queda livre, falta de disposição para tudo e reclamações cada vez mais frequentes por bagunça, brigas e discussões em classe – se esse quadro lhe parece familiar, seu filho pode estar dormindo menos do que deveria. Ou na hora errada. De acordo com a recomendação de especialistas em sono, um adolescente necessita de pelo menos nove horas de repouso – isso mesmo, nove horas! – para garantir uma rotina saudável de estudos. Isso significa que, se o sinal de entrada do colégio soa às 7 horas, a garotada tem de estar contando carneirinho às 21 horas para acordar às 6 horas. O problema é que essa rotina mostra-se impraticável na maioria dos lares brasileiros.

No Brasil, uma investigação recém-apresentada pelo Instituto Glia, em Ribeirão Preto, no interior paulista, mostra que crianças e adolescentes que dormem mais de oito horas por noite apresentam quase o dobro de chances de ter uma cuca mais sadia e um boletim nota 10, em comparação com os que descansam menos do que isso. "A falta de sono altera o humor, o comportamento e o aprendizado do jovem, além de baixar as defesas imunológicas do seu corpo". resume a neuropediatra Márcia Pradella-Hallinan, responsável pelo Setor de Pediatria do Instituto do Sono da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). "As noites maldormidas podem acarretar também problemas de estatura em adolescentes, por causa da alteração na produção do hormônio do crescimento, que acontece durante o sono e é responsável pelo estirão da puberdade."

Além do horário escolar, outro fator parece contribuir bastante para o pensamento voar para as nuvens nas primeiras aulas do dia: os novos brinquedinhos eletrônicos da garotada. Com internet, telefone celular, videogame e a própria TV, os jovens, que já não deveriam deitar depois das 23 horas, acabam invadindo a madrugada no Twitter, mandando mensagens de texto, navegando na web, teclando com amigos online, disputando jogos virtuais ou simplesmente assistindo a um filme. "De segunda a sexta, 65% dos jovens brasileiros dormem apenas seis horas por noite", revela a neurologista Andréa Bacelar, vice-presidente da Associação Brasileira do Sono. "E os responsáveis por isso não são apenas o horário escolar e as distrações eletrônicas. Muitas vezes os pais chegam tarde e a casa fica acesa até altas horas. Os filhos reproduzem esses hábitos. Paralelamente, o consumo de cafeína cresceu muito entre os jovens, em suas mais variadas formas, como refrigerantes, café, energéticos, pó de guaraná, chocolates e outros alimentos."

Os problemas de nota baixa ligados à falta de sono têm a ver com a fadiga dos neurônios responsáveis pelo raciocínio. Se esses soldados do nosso sistema nervoso não estiverem descansados, vão comprometer a memória, a atenção e a percepção de todo o exército. Essa disfunção também leva a quadros depressivos, que se desdobram em vários outros problemas. "Irritação, agressividade, violência gratuita, problemas com alimentação, como obesidade ou anorexia, além de uma visão com perspectiva negativa do mundo e um estado de angústia permanente, contribuem para que muitos busquem uma saída nas drogas e no álcool", elenca a psicopedagoga Nadia Bossa, diretora científica da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp).

Na opinião da especialista da ABPp, a solução para o impasse depende de um esforço conjunto. "Da parte da família, seria preciso organizar a vida doméstica da casa de modo a respeitar as necessidades naturais do corpo do adolescente, o horário escolar e a realidade da casa", defende Nadia. Ou seja, precisaria haver uma nova disciplina com horários rígidos para os jovens conviverem com a família e terem tempo para se divertir, mas sem comprometer as preciosas horas de sono, sempre mantendo a rotina nos fins de semana. Nadia diz que cochilos de 30 minutos à tarde, depois do almoço, não resolvem o problema, mas ajudam a compensar a falta de sono noturno e até podem ser bem-vindos, desde que aconteçam sempre, sugere Nadia.

Em períodos de provas e durante o próprio vestibular, os problemas de falta de sono costumam se agravar. No ímpeto de tirar o atraso, não são poucos os que optam por varar a madrugada na véspera da avaliação para estudar tudo o que o professor passou. A neurologista Andréa Bacelar garante que esse é um erro enorme. "A consolidação da memória acontece quando a pessoa está dormindo. Se ela não dorme, muito do que estudou não vai ficar devidamente registrado, por mais que se esforce." Além disso, segundo a médica, na hora da prova o aluno vai estar sonolento e com os reflexos neuronais lentos, o que comprometerá seu raciocínio.

Giuliano Agmont

Comments are closed.