Sustentabilidade

Brasileiro inventor de 'luz engarrafada' tem ideia espalhada pelo mundo.

Alfredo Moser poderia ser considerado um Thomas Edison dos dias de hoje, já que sua invenção também está iluminando o mundo.

Em 2002, o mecânico da cidade mineira de Uberaba, que fica a 475 km da capital Belo Horizonte, teve o seu próprio momento de 'eureka' quando encontrou a solução para iluminar a própria casa num dia de corte de energia.

Para isso, ele utilizou nada mais do que garrafas plásticas pet com água e uma pequena quantidade de cloro.

Nos últimos dois anos, sua ideia já alcançou diversas partes do mundo e deve atingir a marca de 1 milhão de casas utilizando a 'luz engarrafada'.

Mas afinal, como a invenção funciona? A reposta é simples: pela refração da luz do sol numa garrafa de dois litros cheia d'água.

"Adicione duas tampas de cloro à água da garrafa para evitar que ela se torne verde (por causa da proliferação de algas). Quanto mais limpa a garrafa, melhor", explica Moser.

Moser protege o nariz e a boca com um pedaço de pano antes de fazer o buraco na telha com uma furadeira. De cima para baixo, ele então encaixa a garrafa cheia d'água.

"Você deve prender as garrafas com cola de resina para evitar vazamentos. Mesmo se chover, o telhado nunca vaza, nem uma gota", diz o inventor.

Outro detalhe é que a lâmpada funciona melhor se a tampa for encapada com fita preta.

"Eu nunca fiz desenho algum da ideia".

"Essa é uma luz divina. Deus deu o sol para todos e luz para todos. Qualquer pessoa que usar essa luz economiza dinheiro. Você não leva choque e essa luz não lhe custa nem um centavo", ressalta Moser.

Pelo mundoO inventor já instalou as garrafas de luz na casa de vizinhos e até no supermercado do bairro.

Ainda que ele ganhe apenas alguns reais instalando as lâmpadas, é possível ver pela casa simples e pelo carro modelo 1974 que a invenção não o deixou rico. Apesar disso, Moser aparenta ter orgulho da própria ideia.

"Uma pessoa que eu conheço instalou as lâmpadas em casa e dentro de um mês economizou dinheiro suficiente para comprar itens essenciais para o filho que tinha acabado de nascer. Você pode imaginar?", comemora Moser.

Carmelinda, a esposa de Moser por 35 anos, diz que o marido sempre foi muito bom para fazer coisas em casa, até mesmo para construir camas e mesas de madeira de qualidade.

Mas parece que ela não é a única que admira o marido inventor.

Illac Angelo Diaz, diretor executivo da fundação de caridade MyShelter, nas Filipinas, parece ser outro fã.

"Um engenheiro veio e mediu a luz. Isso depende de quão forte é o sol, mas é entre 40 e 60 watts", afirma Moser.

ApagõesA inspiração para a "lâmpada de Moser" veio durante um período de frequentes apagões de energia que o país enfrentou em 2002. "O único lugar que tinha energia eram as fábricas, não as casas das pessoas", relembra.

Moser e seus amigos começaram a imaginar como fariam um sinal de alarme, no caso de uma emergência, caso não tivessem fósforos.

O chefe do inventor sugeriu na época utilizar uma garrafa de plástico cheia de água como lente para refletir a luz do sol em um monte de mato seco e assim provocar fogo.

A ideia ficou na mente de Moser que então começou a experimentar encher garrafas para fazer pequenos círculos de luz refletida.

Não demorou muito para que ele tivesse a ideia da lâmpada.

A instituição MyShelter se especializou em construção alternativa, criando casas sustentáveis feitas de material reciclado, como bambu, pneus e papel.

Para levar à frente um dos projetos do MyShelter, com casas feitas totalmente com material reciclado, Diaz disse ter recebido "quantidades enormes de garrafas".

"Nós enchemos as garrafas com barro para criamos as paredes. Depois enchemos garrafas com água para fazermos as janelas", conta.

"Quando estávamos pensando em mais coisas para o projeto, alguém disse: 'Olha, alguém fez isso no Brasil. Alfredo Moser está colocando garrafas nos telhados'", relembra Diaz.

Seguindo o método de Moser, a entidade MyShelter começou a fazer lâmpadas em junho de 2011. A entidade agora treina pessoas para fazer e instalar as garrafas e assim ganharem uma pequena renda.

Nas Filipinas, onde um quarto da população vive abaixo da linha da pobreza (de acordo com a ONU, com menos de US$ 1 por dia) e a eletricidade é muito cara, a ideia deu tão certo, que as lâmpadas de Moser foram instaladas em 140 mil casas.

As luzes 'engarrafadas' também chegaram a outros 15 países, dentre eles Índia, Bangladesh, Tanzânia, Argentina e Fiji.

Diaz disse que atualmente pode-se encontrar as lâmadas de Moser e comunidades vivendo em ilhas remotas. "Eles afirmam que eles viram isso (a lâmpada) na casa do vizinho e gostaram da idéia".

Pessoas em áreas pobres também são capazes de produzir alimentos em pequenas hortas hidropônicas, utilizando a luz das garrafas para favorecer o crescimento das plantas.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/08/130813_lampada_garrafa_gm.shtml#page-top

 

Comments are closed.

Sustentabilidade

Boas maneiras com o meio-ambiente.
Planeta Sustentável lança Manual de Etiqueta com dicas práticas para fazer a sua parte.

*por Érika Yukari

Já sabemos que a preservação do Planeta depende muito de nossa postura no dia a dia. Mas você sabe, por exemplo, quais objetos não devem ser jogados na cesta de recicláveis? O espelho, a fotografia e a rolha de vinho são alguns deles! Essas e outras informações para ficar de bem com o meio-ambiente estão no Manual de Etiqueta feito pelo Planeta Sustentável, da Editora Abril.

O guia traz 99 ideias de como enfrentar os problemas ambientais e sociais de nosso tempo. “7 atitudes para conviver melhor com o vizinho”,“14 coisas que você não deve jogar na privada” e “11 coisas boas de colocar no carrinho do mercado” são algumas das listas elaboradas com a ajuda de especialistas e pesquisas .

Para os autores dessa iniciativa, boas ações como essas podem ganhar uma dimensão global se praticadas continuadamente. É por isso que o objetivo é que o pequeno livro circule e incentive essas pequenas atitudes.

Sustentabilidade online

Para não deixar as ideias só no papel, o guia também indica “9 aplicativos e sites que você pode olhar à vontade” e que ajudam a cuidar melhor do planeta. Além disso, o manual foi disponibilizado gratuitamente na internet. Baixe o seu Manual de Etiqueta.

 

Comments are closed.

Sustentabilidade

Dicas de sustentabilidade.

Descubra maneiras bacanas de você fazer a sua parte.

Comments are closed.

Sustentabilidade

Veja abaixo, 12 produtos que você achou que fossem recicláveis, mas não são.

Comments are closed.

Sustentabilidade

Contador de sacolas descartáveis mostra que podemos diminuir esse consumo.

Idealizado pelo Planeta Sustentável, o contador de sacolas descartáveis recusadas é uma ferramenta que incentiva os consumidores a pensarem duas vezes antes de levar uma sacolinha para casa. Com tanta gente clicando, a redução do impacto sobre o meio ambiente é visível.

Cliques a mais, impacto a menos

Que diferença fará se você levar para casa a sacolinha com o comprimido da farmácia, em vez de colocá-lo no bolso? E se usar meia dúzia delas para carregar as compras do supermercado, porque esqueceu sua ecobag? A diferença pode parecer insignificante, mas se houvesse um jeito de contabilizar todas as sacolas descartáveis recusadas no país, ficaria muito claro que não precisamos da maior parte das sacolas que nos são oferecidas diariamente, a cada compra.

Esse é o recado que o contador de sacolas descartáveis recusadas do Planeta Sustentável quer passar. A cada “não” que você disser para esse material, clique no contador para registrá-lo e aproveite para colocá-lo também em seu blog ou site para que mais pessoas pensem duas vezes antes de aceitar uma sacolinha sem necessidade.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cada brasileiro consome, por mês, 66 sacolas plásticas. Ao final de um ano, são 12 bilhões de sacolas plásticas consumidas no país. Se cada um fizer a sua parte, esse número pode ser bem, bem menor. A natureza, as cidades, as atuais e as futuras gerações agradecem o seu clique.

http://planetasustentavel.abril.com.br/especiais/sacolas-descartaveis/?utm_source=redesabril_psustentavel&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_psustentavel&

Previous

Next

Comments are closed.

Sustentabilidade

Veja algumas atitudes sustentáveis que está surpreendendo muita gente.

Financiamento – Na onda dos orgânicos

São Paulo planeja crescer no ranking dos Estados produtores de alimentos orgânicos, no qual ocupa uma discreta quarta colocação. Para isso, o governo acaba de lançar o programa São Paulo Orgânico, destinado a financiar produtores de hortaliças e frutas, por exemplo, cultivados sem uso de agrotóxico, entre outros critérios de sustentabilidade. A linha de financiamento prevê R$ 100 mil para cada agricultor. Hoje, o maior número de produtores orgânicos certificados está no Pará, no Rio Grande do Sul e no Piauí.
 

Vestuário – Jeans de madeira

A indústria da moda está lançando tendência também em assuntos referentes à ecologia. Que o diga a pesquisadora escocesa Ellams Dawn, da Universidade Heriot-Watt, criadora de um tecido jeans à base de fibras de eucalipto. Do ponto de vista técnico, a fibra de eucalipto leva vantagem em relação à de algodão por ter produtividade dez vezes maior. Na área ambiental, de acordo com a pesquisadora, a história se repete, pois a produção do eucalipto requer um manejo mais simples que o da matéria-prima tradicional.

 

Tecnologia – Concreto ecológico

Qual a relação entre os biocombustíveis e a produção de concreto? Para o afegão Feraidon Ataie, pesquisador da universidade de Kansas, nos EUA, trata-se de elementos complementares. Tanto que ele desenvolveu uma técnica que permite substituir até 20% do cimento por restos da fabricação de etanol e outros combustíveis feitos de plantas. A produção de concreto responde por cerca de 8% das emissões globais de CO2.


Construção – Edifício verde. De fato

Taipei, a capital de Taiwan, está prestes a ganhar um dos mais intrigantes edifícios verdes em construção do mundo. Projetado no formato helicoidal do DNA, o Agora Garden (foto) terá uma fachada totalmente funcional. As hortaliças e as ervas aromáticas do jardim, irrigado com água da chuva, poderão ser consumidas pelos moradores. Uma torre no centro captará a luz solar, transformando-a em energia.

http://www.istoedinheiro.com.br/artigos/115642_XO+CARNE+PIRATA

Comments are closed.

Sustentabilidade

Metade da comida do mundo vai parar no lixo, diz relatório.

Estudo divulgado pelo Reino Unido aponta que até 50% dos alimentos que são produzidos, todos os anos, nunca são ingeridos e tem a lata do lixo como destino 

A fome é, hoje, um dos principais problemas mundiais: cerca de três bilhões de pessoas – que representam quase metade da população do planeta – sofrem com a insegurança alimentar, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que ainda garante que esse número, infelizmente, não para de crescer. E o pior é que a comida que poderia alimentar grande parte dessas pessoas existe e está sendo jogada, todos os dias, na lata do lixo. O relatório Global Food: waste not, want not ("Comida Global: não desperdice, não queira", em tradução livre), divulgado nesta quinta-feira (10) pelo Instituto de Engenheiros Mecânicos (Imeche), do Reino Unido, apontou que entre 30 e 50% dos alimentos produzidos anualmente no mundo nunca são ingeridos. A porcentagem representa de 1,2 a 2 bilhões de toneladas de comida, que têm o lixo como destino.

Classificado como "assombroso" pela instituição, esse desperdício de alimentos é consequência de uma série de problemas. Entre eles:
– técnicas insatisfatórias de engenharia e agricultura;
– infraestrutura inadequada de transporte e armazenamento;
– exigência dos supermercados de que os produtos sejam visualmente perfeitos nas prateleiras;
– promoções "compre um, leve dois", que incentivam as pessoas a levar para casa mais do que precisam e
– claro, falta de consciência dos consumidores.

O desperdício de alimentos ainda provoca o uso exagerado de outros recursos que já estão em escassez, como água e energia. De acordo com o relatório britânico, atualmente, cerca de 550 bilhões de metros cúbicos de água são desperdiçados, todos os anos, na produção da comida que vai para o lixo. E a situação pode ficar ainda pior, se não repensarmos a forma como estamos consumindo os
alimentos: segundo o estudo, até 2050, o uso de água no mundo chegará a 13 trilhões m³/ano, sobretudo por conta da demanda para produção alimentícia. 

Em 2009, campanha lançada pelo Instituto Akatu alertou a população de que um terço dos alimentos comprados pelos brasileiros vai direto para a lata do lixo.

Débora Spitzcovsky

Comments are closed.

Sustentabilidade

A partir deste mês, uma empresa de refrigerantes terá a primeira PET 100% reciclada do Brasil. Com a tecnologia, qualquer embalagem PET – independente da cor ou fabricante – pode ser utilizada na produção de novas garrafas.

A tecnologia deve ter grande impacto na redução dos resíduos de PET. Para produzir cinco toneladas de PET reciclada, utiliza-se 30 m³ de material descartado. Com isso, só em 2012, devem ser retiradas das ruas mais de 60 milhões de embalagens.

De acordo com o diretor de Relações Socioambientais da Ambev, Ricardo Rolim, a medida deve estimular a reciclagem do material no País. "A iniciativa tem potencial considerável para aumentar o índice de reaproveitamento de garrafas PET, impactando toda a cadeia de reciclagem. A necessidade de matéria-prima estimula as cooperativas de catadores gerando, assim, um incentivo natural da sociedade para o descarte correto do material", afirma Rolim.

Por enquanto, a nova tecnologia estará presente em 12% das garrafas da bebida – o equivalente a mais de 28 milhões de garrafas -, distribuídas na Região Sul e nos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Até o fim do ano, esse número deve subir para 40 milhões de garrafas. A meta para 2013 é expandir para 20% das embalagens. A previsão é a de que até o fim de 2014 as garrafas sejam comercializadas em todo o País.

Além de utilizar materiais que seriam descartados, a produção também é menos agressiva ao meio ambiente. Segundo a Ambev, o processo utiliza 70% menos energia elétrica em relação à produção do material virgem, além de diminuir em 20% o consumo de água.

http://invertia.terra.com.br/sustentabilidade/noticias/0,,OI6325740-EI10411,00-Ambev+anuncia+primeira+PET+reciclada+do+Brasil.html

Comments are closed.