Dia do brinquedo é legal?

Ao levar o brinquedo de casa para a escola as crianças podem aprender muito. Veja o que os especialistas dizem

Muitas pré-escolas já instituíram que sexta-feira é o dia do brinquedo. Outras não têm um dia estipulado, mas um horário na rotina de atividades dedicado aos brinquedos trazidos de casa. Mas afinal, qual a importância pedagógica de levar os brinquedos para a escola na Educação Infantil?

 

O objetivo é bem maior do que o de proporcionar alguns momentos de lazer descontraído. "Ao trazer de casa o seu brinquedo, a criança traz um pouco do seu cotidiano fora da escola e vai compartilhá-lo com o grupo", explica Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica do Colégio AB Sabin, de São Paulo. Veja abaixo o que as crianças podem aprender com essa atividade e como ela pode ser organizada.

Desenvolve a expressão oral

Levar o brinquedo para a escola e contar para os colegas sobre ele ajuda as crianças a exercitar a expressão oral. "No dia do brinquedo fazemos uma roda de conversa e cada criança é convidada a apresentar o que trouxe, a contar sobre ele", diz Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica do Colégio AB Sabin. "Isso ajuda os alunos a desenvolver a argumentação. Além disso, muitas vezes traz para os educadores histórias do cotidiano dos alunos, já que a criança é levada a contar quem deu o brinquedo ou porque ela pediu para tê-lo, por que o escolheu, com que estava na ocasião da compra, etc", explica.

Mostra a importância de partilhar

Na primeira infância, as crianças são naturalmente egocêntricas e vivem em uma fase que precisam descobrir que não são o centro das atenções. Quando levam seus brinquedos mais especiais e queridos para a escola, elas acabam aprendendo a partilhar. "Nesse momento, elas começam a entender que para usar o brinquedo do outro, precisam também emprestar o seu para os colegas. Às vezes é necessária a intervenção da professora para mediar essas trocas", diz Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica do Colégio AB Sabin.

Faz uma ponte de afeto

O brinquedo trazido de casa representa, especialmente para as crianças menores, um pouco do lar presente na escola. "Nesse sentido, poder vir para a escola com o brinquedo preferido ajuda a fazer essa ponte simbólica, afetiva, a dar segurança para a criança, especialmente em momentos de adaptação", afirma Josiane Del Corso, coordenadora pedagógica das unidades de educação infantil do Colégio Oswald de Andrade, de São Paulo.

Ensina responsabilidade

A atividade de levar seu próprio brinquedo para a escola é uma boa oportunidade também para ensinar as crianças a ter responsabilidade por suas coisas. "Cada criança deve se responsabilizar por seu próprio brinquedo e deve aprender a ter cuidado com os dos amigos também", diz Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica do Colégio AB Sabin.

Exercita a escolha

A escolha dos brinquedos também representa um aprendizado para os alunos. "Estimulamos os alunos a refletir sobre os brinquedos que escolhem para levar a escola. Se alguém traz um minigame, por exemplo, podemos discutir nas rodas de grupo qual a validade dos brinquedos como esse, que têm uso individual ou daqueles que fazem tudo sozinhos", diz Josiane Del Corso, coordenadora pedagógica das unidades de educação infantil do Colégio Oswald de Andrade. Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica, concorda: "Orientamos os alunos a evitar os brinquedos eletrônicos e a preferir aqueles que propiciem um brincar coletivo e não individual". Além disso, segundo ela, há algumas restrições sobre os tipos de brinquedos que podem entrar na escola. Os mais adequados são os jogos, as bonecas e os carrinhos", explica.

Dia de brinquedo e fantasia

Fantasias também são brinquedos e dos mais importantes, pois estimulam a imaginação e ajudam as crianças a trabalhar conteúdos simbólicos. "Quando realizamos os dias de brinquedo, convidamos os alunos a usarem fantasias, se quiserem. Assim, a brincadeira fica completa e mais divertida", diz Suzy Março de Souza, coordenadora pedagógica do Colégio AB Sabin.

Há uma idade adequada?

Não existe uma idade limite para organizar dias ou horários dedicados aos brinquedos. Mas essa atividade é especialmente adequada para os menores, da pré-escola ao ensino fundamental I. "Muitas crianças têm nos brinquedos seus objetos transacionais, que a ajudam a se adaptar a lugares e situações. Isso é mais comum até os 3 anos mais ou menos, mas algumas vezes até as crianças mais velhas precisam desse apoio", afirma Josiane Del Corso, coordenadora pedagógica das unidades de educação infantil do Colégio Oswald de Andrade.

Texto Adriana CarvalhoD

Previous

Next

Comments are closed.