Olimpíada

Linharense se prepara para disputar final nacional de olimpíada internacional de ciências.

Estudante do 9º ano no Centro Educacional Projetar, Heloiza Castilhoni Belique, de 14 anos, embarca no próximo dia 24 para São Paulo, onde disputa a última etapa em solo brasileiro da International Junior Science Olympiad (IJSO).

No último dia 25 de maio, mesmo não sendo do público-alvo do concurso, pensado para alunos que completam 15 anos em 2013, Heloiza participou da primeira fase e se tornou a única linharense classificada para a final nacional. A adolescente está a um passo de representar o Brasil na IJSO internacional, que ocorrerá na Índia.

A prova da fase final acontece no próximo dia 24 de agosto em seis sedes regionais: Fortaleza-CE, Goiânia-GO, Teresina-PI, Londrina-PR, São Paulo-SP e Palmas-TO. Heloiza fará prova no Prédio da Engenharia Elétrica da Escola Politécnica da USP. Serão 3 horas e meia para resolver 30 questões de múltipla escolha e 12 questões dissertativas. Os nomes que comporão a delegação brasileira na olimpíada internacional serão revelados no dia 1º de setembro.

“A vantagem de Heloiza é a autonomia”
É assim que a professora de Ciências do Centro Educacional Projetar, Diesther Scarpati explica a conquista de Heloiza. “Ela corre atrás e tem autonomia na produção de seu conhecimento”, diz.

Junto aos professores Giliard Carleti, de química e Tiago Agrizzi, de Física e Matemática, Diesther instruiu os alunos que gostariam de participar da olimpíada por meio de um projeto de aulas de reforço.

“O concurso é voltado para alunos que façam 15 anos em 2013, mas convidamos o 9º ano. Eu acredito que ela vai se sair bem”, afirma.
Família inteligente e orgulhosa

Heloiza tem um exemplo a seguir em casa. Sua irmã, Helena Castilhoni Belique, de 17 anos, também já se classificou em olimpíadas como o IJSO. “Talvez eu tenha ajudado dando exemplo. Ela sempre foi inteligente e me via estudando, fazendo provas”, explica Helena.

Para o pai de Heloiza, Sérgio Suel Belique, o apoio da família é fundamental. “A gente dá todas as condições. Local próprio para elas estudarem e toda uma estrutura para elas poderem se dedicar. Nunca forçamos nada. Elas têm seus próprios horários”, diz.

Mesmo sabendo da influência que esse apoio tem nos resultados das duas filhas, a mãe, Simone Aparecida Castilhoni Belique, faz questão de salientar que a iniciativa vem delas. “Heloiza foi por conta própria. Foi mérito dela. A gente incentiva deixando, dando oportunidades, mas a iniciativa é totalmente dela. Fico muito feliz. Sabemos que ela tem capacidade”.

Sobre o futuro, Simone lembra o que sempre disse às filhas. “A gente não vai deixar herança pra vocês. A gente vai dar educação e a base que vocês precisarem para que vocês construam o melhor futuro possível”.

Nada de nervosismo
Às vésperas da final nacional, Heloiza diz estar calma. “Sempre fui acostumada a estudar. Estou tranquila. Não fico nervosa”.

Ela vê nas olimpíadas uma maneira de buscar novas oportunidades. “Estou me esforçando o máximo que consigo. A escola acreditou na gente. Quis muito fazer a prova por que gosto de desafios. Não esperava ter esse resultado, mas sempre quis e me esforcei”, diz.

O concurso já influencia na escolha de uma profissão. “Comecei a gostar mais de química. até pensei na possibilidade de me tornar médica”, conta.

Etapa internacional do IJSO ocorre em dezembro
A International Junior Science Olympiad ou Olimpíada Internacional Júnior de Ciências (IJSO) é uma das maiores e mais importantes olimpíadas acadêmicas do planeta.

A fase mundial é realizada anualmente em local itinerante desde 2004, com equipes formadas por seis estudantes de até 15 anos.
Em 2013, a disputa final ocorre na cidade de Pune, na Índia, de 3 a 12 de dezembro. Cerca de 40 países devem participar.

Ramon Ferreira – Assessoria Centro Educacional Projetar

 

Previous

Comments are closed.